Vivat Cor Iesu,

Per Cor Mariae!

Caros amigos do CommunioSCJ, sejam, mais uma vez, bem vindos! Nossa viagem pela história da Igreja na companhia do Santo Padre Bento XVI chega, nesta semana, ao grande Sto. Ambrósio de Milão (340-397) [1].

Versado em retórica e jurídica, Ambrósio foi administrador de uma província do Império com sede em Milão (aproximadamente em 370). Enquanto governava, Ambrósio interveio na sucessão de Auxêncio (bispo ariano) para conter os ânimos exaltados pela polêmica ariana que dividia os cristãos da cidade em partidos antagônicos. Sua intervenção foi tão eloquente que, ainda catecúmeno, ele foi aclamado pela população como bispo da cidade.

Foi só depois de sua eleição, que Ambrósio se dedicou com afinco às Sagradas Escrituras. Esta dedicação, porém, trouxe grande contribuição para a Igreja latina. De fato, “Ambrósio transferiu para o ambiente latino a meditação das Escrituras iniciada por Orígenes, começando no Ocidente a prática da lectio divina. O método da lectio passou a orientar toda a pregação e os escritos de Ambrósio, que fluem precisamente da escuta orante da Palavra de Deus” [2].

Terminando o mês de setembro esta reflexão sobre a lectio vem bem a calhar. Não basta ter a Bíblia; não basta lê-la; não basta estudá-la. Tudo isso é importante e não deve ser, de modo algum, negligenciado. É preciso, porém, transcender este nível de conhecimento para um nível vivencial: é preciso encontrar-se com Jesus Cristo, presente nas Sagradas Escrituras lidas na fé da Igreja.

“Se é verdade que a liturgia constitui o lugar privilegiado para a proclamação, escuta e celebração da Palavra de Deus, é igualmente verdade que este encontro deve ser preparado nos corações dos fiéis e sobretudo por eles aprofundado e assimilado. De fato, a vida cristã caracteriza-se essencialmente pelo encontro com Jesus Cristo que nos chama a segui-Lo. Por isso, o Sínodo dos Bispos afirmou várias vezes a importância da pastoral nas comunidades cristãs como âmbito apropriado onde percorrer um itinerário pessoal e comunitário relativo à Palavra de Deus, de modo que esta esteja verdadeiramente no fundamento da vida espiritual. Juntamente com os Padres sinodais, expresso o vivo desejo de que floresça «uma nova estação de maior amor pela Sagrada Escritura da parte de todos os membros do Povo de Deus, de modo que, a partir da sua leitura orante e fiel no tempo, se aprofunde a ligação com a própria pessoa de Jesus» (Propositio 9)” [3].

A lectio é, como percebemos, uma forma de oração milenar. Sem dúvida trata-se de um exercício pessoal que requer disciplina e dedicação. Mas produz fruto: conversão e vida no Espírito. Porque não é possível encontrar-se com Jesus assiduamente e fazer um pacto com o pecado e a mediocridade. Jesus nos desinstala… E, por isso, a tendência é crescermos; é vivermos cada vez melhor como cristãos! Crescem as virtudes, cresce o desejo de santidade, cresce a força para buscar a comunhão com o Senhor custe o que custar. Até o dia em que poderemos dizer: “já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim” (Gl 2,20).

Que Santo Ambrósio de Milão e Maria Santíssima nos ajudem neste exercício constante de relacionamento pessoal com Jesus Cristo, Palavra eterna de Deus!

Fraterno abraço; até semana que vem; e viva S. Pio de Pietrelcina!!!

[1] BENTO XVI. “Santo Ambrósio de Milão”. In Os Padres da Igreja. São Paulo: Pensamento, 2010, p. 120-124. Disponível em: <http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/audiences/2007/documents/hf_ben-xvi_aud_20071024_po.html>.

[2] Idem, p. 121.

[3] BENTO XVI. Verbum Domini, n. 72. Disponível em: <http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/apost_exhortations/documents/hf_ben-xvi_exh_20100930_verbum-domini_po.html#_ftnref248>.