Sejam mais uma vez bem vindos, amigos do CommunioSCJ.

Estamos chegando ao fim do itinerário de aprofundamento sobre o Credo cristão. Depois desse longo caminho é chegada a hora de meditarmos o que significa dizer que cremos na ressureição da carne.

De uma maneira direta, o Catecismo nos ensina que “da mesma forma que Cristo ressuscitou verdadeiramente dos mortos, e vive para sempre, assim também, depois da morte, os justos viverão para sempre com Cristo ressuscitado e que Ele os ressuscitará no último dia” [1]. Esta crença fundamentada em diversas passagens bíblicas (Cf. Rm 8,11; 1Cor 15,20) e intimamente ligada com a fé na Ícone-Ressurreição.jpgressureição de Jesus Cristo é essencial para a fé cristã. Como disse Tertuliano: “A confiança dos cristãos é a ressureição dos mortos; crendo nela, somos cristãos” [2].

Para entendermos melhor esse ponto crucial de nossa fé, comecemos por olhar para a palavra carne. Carne, ao contrário do que comumente se imagina, não está, na linguagem teológica, associada à palavra corpo. Se crêssemos na ressureição do corpo, teríamos uma má notícia. Pois de que nos serviria ganhar de volta esse corpo corrompido pelo pecado? Seria mais um instante dessa vida limitada que sempre é vencida pela morte. Pelo contrário, carne está associada a nossa “condição de fraqueza e mortalidade” [3]. Aí temos uma ótima notícia de salvação. Pois entendemos que a ressureição não é um mero voltar à vida, mas é o adentrar numa vida nova. Uma vida que pressupõe um homem novo em sua totalidade, com um corpo e uma alma livres da marca do pecado.

Ressuscitar é, dessa forma, ganhar uma vida incorruptível onde o corpo será novamente unido à alma imortal. Como será esse corpo incorruptível permanece um mistério, mas fato é que ele nos será concedido no “último dia” (Jo 6,40), na volta gloriosa de Jesus, tanto para os que se salvarem como para os que se perderem. Os que se salvarem, entretanto, terão seus corpos transfigurados pela glória de Deus, ao qual estarão unidos, e uma alma redimida, livre de toda mancha do pecado. Não terão a mesma vida, mas a Vida.

A ressureição para a Vida, não é alcançada pelas próprias forças ou méritos, mas pela nossa união a Jesus Cristo, no Espírito Santo. Nesse processo, podemos contar com os sacramentos, especialmente o Batismo e a Eucaristia. O próprio Jesus chama nossa atenção para esse caminho de união: “Eu sou o pão da vida” (Jo 6,35) e “Quem consome este pão viverá para sempre” (Jo 6,58). Através dos Ícone - Ressuscitadosacramentos, nossa existência se encontra com a de Cristo, começamos a ressuscitar “como Ele, com Ele, por Ele” [4]. Isso porque “na ressureição de Jesus foi alcançada uma nova possibilidade de ser homem” [5]. “Foi inaugurada uma dimensão que nos interessa a todos, e que criou para todos nós um novo âmbito da vida, o estar com Deus” [6].

Esta perspectiva de ressureição nos anima mesmo diante da realidade trágica da morte, terrível consequência do pecado. Nós a experimentaremos como Cristo experimentou, mas a venceremos como Ele também venceu. Sendo um dramático, mas único caminho para a Vida em Deus, “a morte cristã tem um sentido positivo” [7], pois “para ressuscitar com Cristo é preciso morrer com Cristo” [8]. Consciente disso, São Paulo afirma: “Para mim, de fato, o viver é Cristo e o morrer, lucro” (Fl 1,21).

Concordar com São Paulo é impossível para o que não crê. Mas não para aquele ou aquela que tem fé verdadeira. Muitos são os que auxiliados pelo Espírito Santo, compreenderam esta realidade ao longo destes dois milênios da Igreja. Muitíssimos mártires aos quais caberiam as palavras de Santo Inácio de Antioquia: “É bom para mim morrer em Cristo Jesus, melhor do que reinar até as extremidades da terra”. Muitíssimos místicos que poderiam se expressar como Santa Teresa de Jesus: “Quero ver a Deus, e para vê-lo é preciso morrer”.

Que a Santíssima Virgem Maria, interceda a Deus para que nossa fé na ressureição da carne seja renovada e tenhamos a graça de uma morte santa, que nos faça ressuscitar com Cristo.

“Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores agora e na hora da nossa morte. Amem!”

 

 

[1] CEC (Catecismo da Igreja Católica), n. 989.

[2] CEC, n. 991.

[3] CEC, n. 990.

[4] CEC, n. 995.

[5] RATZINGER, J. Jesus de Nazaré – Da entrada em Jerusalém até a Ressureição. São Paulo: Planeta, 2011, p. 219.

[6] Idem, p. 245.

[7] CEC, n. 1010.

[8] CEC, n. 1005.