Olá, amigos, a paz!

É chegado o encerramento do Ano da Fé. É a hora de avaliarmos como foi este tempo para cada um de nós. Aprofundamos o Catecismo, ganhamos um novo Papa, vivemos a Jornada Mundial da Juventude, quantas bênçãos este ano de 2013 nos trouxe, não foi, católicos?

Devemos eterna gratidão ao grande Papa que Bento XVI foi e por essa grande graça que foi o Ano da Fé, essa oportunidade de olhar para as raízes de nossa fé, de termos um contato maior com as lições da Igreja e tudo o que ela prega, o que Jesus nos deixou de mais belo e precioso, os segredos de Deus e do seu Reino, a Verdade que não deveria mais permanecer em segredo, mas sim ser compartilhada com os mais pequeninos.

A Igreja é a esposa de Cristo, sua presença nela é indiscutível e tudo o que ela crê deve ser entendido por cada um de nós num contexto não só de fé, mas também de razão. A Igreja não está ultrapassada e obsoleta, pelo contrário, nunca foi tão atual no contexto em que vivemos. A Igreja é a chama em meio à escuridão que quer se instalar no mundo para destruir a família, escolher quem tem o direito de nascer ou não, quem está na hora de morrer ou não, rompendo a linha que existe entre o direito de um e o direito do outro.

É por isso que nós cristãos estamos aqui, para ser luz e para tirarmos do erro os que desconhecem a verdade sobre a Igreja Católica.

Nós cremos em Cristo porque Ele nos salvou. Ele desceu do céu para salvar-nos de nós mesmos, para mostrar a cada um de nós o valor que temos, que não depende de como somos, do quanto temos, mas sim, depende do que somos e do que Deus acredita que poderemos ser.

Para isso ocorrer, você e eu temos um grande compromisso com Cristo, assumido por nós mesmos quando nos chamamos cristãos. O compromisso de pensar como Ele pensaria, agir como Ele agiria e reagir como Ele reagiria em todas as situações.

Eis a importância de se conhecer bem a Cristo e à Igreja, a Nova Evangelização depende de nós. Quem conhece a Cristo jamais anda sozinho, quem tem intimidade com Ele deixa de preocupar-se com as coisas fúteis da vida, busca as coisas do Alto [1] e leva os outros a buscá-las também.

Meus amigos, se o Ano da Fé acabou, nossa busca, não. Um ano é muito pouco para conhecer todas as riquezas que a Igreja guarda sob o sangue dos mártires e do próprio Jesus. Cristo é o amém definitivo na História da Igreja, mudou o mundo para sempre com atitudes simples de amizade, humildade, misericórdia, amor. Foi grande na terra, se fazendo pequeno entre nós. Podia ter feito coisas muito maiores para demonstrar seu poder, mas preferiu fazer pequenos milagres que salvaram (e ainda salva) a vida de muitas pessoas que se achavam sem valor nenhum.

Podemos ser assim também, deixar Jesus agir em nós para através de nós, salvar a vida das pessoas com pequenos exemplos e pequenas atitudes. A Nova Evangelização depende mais de exemplos do que de palavras.

Continuem conosco e com nossas reflexões, conheçam a vida dos santos, leiam o Catecismo, conheçam e transmitam a verdade sobre a Igreja, sejam católicos de verdade.

Estamos juntos em prol da Igreja de Cristo, boa semana a todos, que o Senhor os abençoe.

 

 

[1] Col 3,1.

Anúncios