Vivat Cor Iesu,

Per Cor Mariae!

 

Sejam bem vindos, mais uma vez, ao CommunioSCJ! O Ano da Fé foi encerrado no último domingo, na celebração da Solenidade de Jesus Cristo, Rei do Universo. Esperamos ter contribuído para que, com nossas reflexões, também você, que acompanha nosso blog, tenha refletido mais profundamente sobre o modo que a fé católica tem impactado sua vida. De fato, é nossa tarefa aprofundarmos o conhecimento de nossa fé para que, cada vez mais, possamos pô-la em prática: a fé, se não transforma nossa vida, é morta (cf. Tg 2,26).

Dessa forma, queremos seguir o processo de reflexão de nossa fé com um tema que, graças a Deus tem sido muito difundido nos últimos tempos: as catequeses do Beato João Paulo II sobre o amor humano, também conhecidas como a “teologia do corpo”. Isso porque descobrir a beleza para a qual fomos criados é muito importante para que nós, jovens, abracemos com convicção o empenho pela castidade e, nela, encontremos a verdadeira alegria de amar.

Sabemos que a castidade cristã é, muitas vezes, objeto de dúvida e escárnio para muitos. Sabemos também da dificuldade para abraçar e crescer nesta virtude. Mas também sabemos que ela “significa a integração correta da sexualidade na pessoa e, com isso, a unidade interior do homem em seu ser corporal e espiritual” [1]. E queremos aprender a viver nesta virtude para que, com o auxílio da graça de Deus, cresçamos na nossa realização enquanto seres corpóreo-espirituais vocacionados ao amor.

Não que a castidade seja o centro da vida cristã: seu centro é a caridade. E, de fato, “a caridade é a forma de todas as virtudes. Influenciada por ela, a castidade aparece como uma escola de doação da pessoa. O domínio de si mesmo está ordenado para a doação de si mesmo” [2]. Queremos aprender a amar. E, para tanto, precisamos aprender a castidade, seu significado e seu valor sempre atual.

Por isso, a partir do próximo mês, começaremos a refletir sobre o primeiro ciclo das proféticas catequeses que o Beato Papa João Paulo II proferiu sobre o amor humano que se chama “O Princípio” e trata do desígnio de Deus na criação do ser humano. Este primeiro ciclo vai da audiência geral da quarta-feira, 5 de setembro de 1979, “Em colóquio com Cristo sobre os fundamentos da família” [3] até aquela da quarta-feira, 2 de abril de 1980: “Os interrogativos sobre o matrimônio na visão integral do homem” [4].

Enfim, esta será também a ocasião de testemunharmos nossa fé no Espírito que suscita o Papa do qual temos necessidade seja da Polônia, da Alemanha ou mesmo da Argentina. E ainda, é uma forma de bendizer a Deus por nos ter dado João Paulo II com sua santidade luminosa para conduzir-nos no fim do milênio passado no ano de sua canonização.

Que a beatíssima Virgem, ícone da pureza, nos guarde neste caminho.

Fraterno abraço, até a próxima.

 

 

[1] Catecismo da Igreja Católica (CEC) 2337.

[2] CEC 2346.

[3] JOÃO PAULO II. Em colóquio com Cristo sobre os fundamentos da família. Disponível em: http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/audiences/1979/documents/hf_jp-ii_aud_19790905_po.html.

[4] JOÃO PAULO II. Os interrogativos sobre o matrimônio na visão integral do homem. Disponível em: <http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/audiences/1980/documents/hf_jp-ii_aud_19800402_po.html>.