Caros irmãos, neste dia dos pais, celebramos o décimo nono domingo do Tempo Comum, no qual a liturgia continua a meditação do capítulo sexto do Evangelho segundo São João (cf. Jo 6,41-51). Encontramo-nos aqui num relacionamento com o Senhor que se desenrola numa dupla dimensão: atração e caminho. Aproximemo-nos, então, dos textos bíblicos para que Ele nos alimente.

Diz Jesus no Evangelho: “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o atrai” 9124estrada.jpg(Jo 6,44). Para além de todas as formas concretas desta atração por Deus que trazemos em nosso coração, o que não podemos deixar de notar é nossa condição de incompletude e inquietude percebida como a falta de algo que nos possa preencher. É aquilo que Santo Agostinho escreveu logo no início das suas Confissões: “nos fizeste para ti, [Senhor], e nosso coração está inquieto enquanto não encontrar em ti descanso”. Essa experiência é importante porque nos move em direção ao Único que é capaz de nos preencher.

Porém, quanto mais tendemos ao Senhor, mais parece que temos um longo caminho pela frente. Pois, quando somos encontrados por Jesus, e Ele começa a nos transformar, percebemos como estamos longe daquilo que deveríamos ser. E então, diz o anjo a Elias, “Levanta-te e come! Ainda tens um longo caminho a percorrer” (2Rs 19,7). A presença do Cristo, sobretudo na comunhão eucarística bem feita, é o alimento que nos dá força a continuar, mesmo que a distância para a meta pareça insuperável.

A meta é justamente descrita na segunda leitura: “Vivei no amor, como Cristo nos amou e se entregou a si mesmo a Deus por nós, em oblação e sacrifício de suave odor” (Ef 5,2). E, de fato, precisamos do socorro divino para não desistirmos de amar. E um modo concreto de se oferecer ao Senhor como sacrifício de amor é a paternidade. Por isso, rezamos hoje por todos os pais, a fim de que sejam claros sinais da presença e do Amor do Pai.

Que a intercessão da Bem-aventurada e sempre Virgem Maria, nossa Mãe, e de São José, seu castíssimo esposo, esteja com nossos pais hoje e sempre.