Caros irmãos, em quase todo Brasil, neste domingo, celebramos a Solenidade da Assunção da Virgem Maria, transferida do último dia 15. Na liturgia do dia, temos, para nossa meditação, o trecho do evangelho segundo São Lucas que retrata a visita de Nossa Senhora à Santa Isabel (cf. Lc 1,39-56). Brevemente, podemos reconhecer neste mistério celebrado nossa vocação e o modo de realizá-la.

O Papa Pio XII, quando proclamou solenemente como verdade de fé divinamente André_Gonçalves_-_goncalves_assuncao1revelada a Assunção de Nossa Senhora, escreveu: “a imaculada Mãe de Deus, a sempre virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celestial” [1]. Aqui, temos o núcleo do dogma e, assim, compreendemos que nela aconteceu o que é reservado a todos os santos no último dia: a entrada na glória da Santíssima Trindade de corpo e alma. Ora, todos somos chamados à santidade e, então, podemos concluir que nossa vocação é participarmos, com todo nosso ser, na glória do Senhor, nosso Deus.

Mas, como nossa Mãe bendita nos ensina a caminhar respondendo a este chamado? “Ele viu a pequenez (a humildade) de sua serva, […]. O Poderoso fez por mim maravilhas” (Lc 1,48-49): é uma obra que o Todo-Poderoso faz naquele que reconhece sua impotência para tanto. É simplesmente impossível que, abandonados às nossas próprias capacidades, possamos nos converter e entrar na glória do Pai. Mas Ele, em sua infinita misericórdia, quer e pode nos transformar – pode fazer esta maravilha – se, com fé, nos entregamos às suas mãos reconhecendo, humildemente, que não podemos fazer isso sozinhos.

Rezemos, de modo particular, neste terceiro domingo do mês vocacional, pelos religiosos, para que, tendo o seu coração completamente voltado Jesus Cristo, sejam sinais claros da primazia do Senhor em nossas vidas.

Que a intercessão da Bem-aventurada Virgem Maria, nossa Mãe e Rainha dos Céus, seja auxílio e amparo no caminho de santidade de cada um de nós.

 

[1] Pio XII, Munificentissimus Deus, n. 44.