Inicial

AVE CRUX, SPES UNICA!

Deixe um comentário

“Saudamos-te, Cruz santa, nossa única esperança!”, assim a Igreja nos faz dizer no tempo da paixão, dedicado à contemplação dos amargos sofrimentos de Nosso Senhor Jesus Cristo.

O mundo está em chamas: a luta entre Cristo e o anticristo encarniçou-se abertamente, por isso, se te decides por Cristo, pode te ser pedido também o sacrifício da vida.

Contempla o Senhor que pende do lenho diante de ti porque foi obediente até a morte de cruz. Ele veio ao mundo não para fazer a sua vontade, mas a do Pai. Se queres ser a esposa do Crucificado deves renunciar totalmente à tua vontade e não outra aspiração senão a de cumprir a vontade de Deus.

À tua frente o Redentor pende da Cruz despojado e nu, porque escolheu a pobreza. Quem Edith Stein iconequer segui-lo deve renunciar a toda posse eterna.

Estás diante do Senhor que pende da Cruz com o coração despedaçado; ele derramou o sangue de seu Coração para conquistar o teu coração. Para poder segui-lo em santa castidade, o teu coração deve ser livre de toda aspiração terrena; Jesus Crucificado deve ser o objeto de todo o teu anseio, de todo o teu desejo, de todo o teu pensamento.

O mundo está em chamas: o incêndio poderia pegar também em nossa casa, mas, acima d todas as chamas, ergue-se a Cruz que não pode ser queimada. A Cruz é o caminho que conduz da terra ao céu. Quem a abraça com fé, amor, esperança é levado para o alto, até o seio da Trindade.

O mundo está em chamas: desejas extingui-las? Contempla a Cruz – do Coração aberto jorra o sangue do Redentor, sangue capaz de extinguir também as chamas do inferno. Através da fiel observância dos votos, torna o teu coração livre e aberto; então, poderão ser despejadas nele as ondas do amor divino; sim, a ponto de fazê-lo transbordar e torná-lo fecundo até os confins da terra.

Através do poder da Cruz, podes estar presente em todos os lugares da dor, em toda parte para onde te levar a tua compassiva caridade, aquela caridade que haures do Coração divino e que te torna capaz de espargir, por toda parte, o seu preciosíssimo sangue para aliviar, salvar, redimir.

Os olhos do Crucificado fixam-te a interrogar-te, a interpelar-te. Queres estreitar novamente, com toda seriedade, a aliança com ele? Qual será a tua resposta? “Senhor, aonde irei? Só tu tens palavras de vida”. Ave Cruz, spes unica!

 

Dos Escritos Espirituais de santa Teresa Benedita da Cruz, virgem e mártir (Edith Stein: “Vita, Dottrina, Tesi inediti” Roma, PP. 127-130).

2018.08.06 #Θεωσι SEI QUE TEREI MUITO MAIS

Deixe um comentário

XVIII DOMINGO DO TEMPO COMUM – ANO B (Pe. Lucas, scj)

Deixe um comentário

Caros irmãos, celebrando o décimo oitavo domingo do Tempo Comum, continuaremos a meditação do capítulo sexto do Evangelho segundo São João. No qual, depois de multiplicar os pães, Jesus atravessa o mar e chega em Cafarnaum, onde a multidão o encontra. Então, como vemos nesta liturgia, com um diálogo, o Senhor começa o discurso do Pão da Vida (cf. Jo 6,24-35). Aqui, devemos estar atentos a alguns detalhes para icone-sermao-da-montanhapodermos deixar-nos orientar pelo Cristo.

Refletiremos, para tanto, sobre duas palavras de Jesus que se interligam e nos orientam. A primeira é: “estais me procurando não porque vistes sinais, mas porque comestes pão e ficastes satisfeitos” (Jo 6,26). A multidão recebe uma reprimenda justamente porque o está buscando para obter um benefício imediato: o pão. Vemos, então, um retrato frequente da nossa vida de oração quando nos aproximamos do Senhor para que Ele simplesmente resolva nossos problemas imediatos. Que nossos problemas sejam causa de sofrimentos, é fato. Que é justo pedir sua ajuda em alguma situação desesperada (bons exemplos não faltam), também não é, em si, um problema. Mas, é preciso reconhecer: viver nosso relacionamento com Deus nesta direção nos põe na contramão do Pai Nosso, no qual rezamos: seja feita a vossa (não, a nossa) vontade.

E então, chegamos à segunda palavra: “A obra de Deus é que acrediteis naquele que ele enviou” (Jo 6,29). Eis a chave: é preciso buscar o Senhor com fé porque Ele é o alimento que não se perde (cf. Jo 6,27); Ele é o sentido da nossa vida. E assim, compreendemos o porquê de haver uma hierarquia de valores que orienta nossas escolhas – inclusive a escolha do sentido de nossa oração: “Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo” (Mt 6,33).

Que a Bem-aventurada e sempre Virgem Maria, Mãe da fé, interceda por nós, e nos conduza pelo caminho que ela tão bem percorreu.

2018.08.01 #Θεωσι VALE TUDO

Deixe um comentário

Newer Entries