Caros irmãos, iniciamos, neste domingo, um novo tempo (o Advento) e, com ele, um novo ano litúrgico (Ano A, dedicado ao Evangelho de Mateus). Nesta liturgia, Jesus nos chama àquela que é a característica da vida cristã e que se vive fortemente neste período, a vigilância (cf. Mt 24,37-44). Que a sua Graça nos dê um coração aberto e atento para recebê-lo.

Na dinâmica da tríplice vinda do Senhor – a primeira, humilde, na carne para a nossa redenção; a segunda, na glória, para consumar sua obra; e a terceira, intermédia e mística, na vida da Igreja – é imprescindível a virtude da vigilância: “ficai atentos! image005Porque não sabeis em que dia virá o Senhor” (Mt 24,42). De fato, Jesus veio, virá e vem sempre ao nosso encontro por diversos meios. A primeira pergunta é: estamos esperando a sua visita? Estamos atentos aos sinais da sua presença e da sua ação na nossa vida?

Quando, então, tomamos consciência de que devemos nos dispor para que a presença do Senhor em nossa vida não seja inócua, chegamos à segunda pergunta: o que devemos fazer para estarmos preparados? Podemos encontrar uma resposta nas palavras do Apóstolo, presentes na segunda leitura: “despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da luz” (Rm 13,12). Ou seja, o forte tempo do Advento também é marcado pela penitência e pela oração. Estas são, sim, características que nos acompanham em todos os momentos. Mas, é preciso exercitá-las com mais atenção para que não nos acomodemos. Proponhamo-nos, então, a intensificar essas práticas neste período para dar um novo (ou renovado) ritmo cristão à nossa vida.

Que nossa Mãe Bendita, a Santa e sempre Virgem Maria, a Senhora da Esperança, interceda por nós e nos ajude a viver bem este tempo de despertar cristão em nossa vida cotidiana. À vossa proteção recorremos, Santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó virgem gloriosa e bendita. Amém!