Caros irmãos, celebrando a solenidade da Epifania do Senhor, contemplamos a adoração dos magos do Oriente (cf. Mt 2,1-12). Abramos o nosso coração e deixemos que a Luz de Deus que hoje se manifesta para a nossa salvação ilumine toda a nossa vida.

Deus conduziu os magos do oriente ao mistério da salvação sobretudo através de uma estrela. Assim, se manifesta para nós uma grande mensagem de alegria e salvação, enunciada por S. Paulo na segunda leitura desta liturgia: “os pagãos são admitidos à mesma herança, são membros do corpo, são associados à mesma promessa em Jesus Cristo, por meio do Evangelho” (Ef 3,6). Em outras palavras, não só aos hebreus se dirige Epifania.jpgo Amor misericordioso do nosso Deus, mas a todos os povos. Todos! E, portanto, também a nós! Que maravilha sermos alcançados, libertados e restaurados pela infinita bondade do único e verdadeiro Deus em Jesus Cristo, nosso Senhor!

Você também não sente seu coração bater mais forte diante de um amor tão profundo e que lhe alcança aí onde você está? Pois bem, a liturgia de hoje nos convida a que, de fato, nos deixemos iluminar pela Luz de Cristo que se manifestou no Seu Natal e também no nosso – pois recebemos a Sua Luz no nosso Batismo. E a nossa resposta é iluminar! Disse o profeta Isaías na primeira leitura: “Levanta-te, acende as luzes, Jerusalém, porque chegou a tua luz, apareceu sobre ti a glória do Senhor” (Is 60,1). Não nos envergonhemos de Jesus, nosso Senhor. Não escondamos a Luz que nos iluminou. E assim, iluminados e iluminando seremos o sinal que tanta gente precisa para encontrar o sentido mais profundo de sua existência: Jesus Cristo, nosso Senhor.

Que a intercessão da bem-aventurada Virgem Maria e de São José nos ajude a acolher a manifestação da Graça salvadora de Deus e manifestá-la a todos os que se encontrarem conosco.

Sub tuum præsidium confugimus.

sancta Dei Genitrix:

nostras deprecationes

ne despicias in necessitatibus:

sed a periculis cunctis libera nos semper,

Virgo gloriosa et benedicta.