Olá, amigos!

Nosso blog, nesse mês de março completa três anos, não posso deixar de agradecer a todos os colaboradores que enriquecem esse espaço e a vocês amigos que nos acompanham, divulgam nossos textos e são responsáveis por estarmos aqui refletindo sobre a beleza e sabedoria da nossa amada Igreja.

Nossas reflexões sobre a Teologia do Corpo continuam seguindo a narrativa do Livro do Gênesis e nele verificamos que a definitiva criação do homem consiste na criação da unidade de dois seres. A sua unidade significa, sobretudo, a identidade da natureza humana. A sua dualidademanifesta o que, com base em tal analogia, constitui a masculinidade e a feminilidade do homem criado [1].

Deus pensou o homem especialmente antes de criá-lo e colocá-lo perante suas outras criaturas. Separou o homem (humanidade) em dois seres diferentes, masculino e feminino, mas iguais em dignidade, para serem duas metades que se completam; para cuidar de tudo o que Ele criou; para povoar a terra recém criada e dominar os animais; para juntos serem o espelho da família que já possuía no céu, a Santíssima Trindade. A humanidade foi criada por Deus com um valor muito especial, bem diferente dos outros animais, pois só o homem é semelhante ao Criador.

O segundo capítulo do Gênesis exprime mais detalhadamente o sentimento do homem antes e depois de encontrar a mulher. Nota-se que Deus fez o homem primeiro, deixou que se sentisse só entre os outros viventes [2], colocou em seu coração o desejo de ter alguém igual a si e ele receberia esse alguém, porém, o tempo de espera era necessário. Somente quando Adão aquietou seu coração, parou de procurar e adormeceu, recebeu sua auxiliar, sua companheira.

Quando o homem viu a mulher, enxergou nela sua própria imagem, consequentemente, a imagem sagrada do seu Criador. Anteriormente ao pecado original, o homem e a mulher eram ícones que levavam um ao outro a adorar e a louvar a Deus, por isso estavam nus e nem percebiam, tamanha era a pureza de seus corações.

A solidão anterior remetia à necessidade de estar com o outro e, nos diz a narrativa, o quanto o homem se alegra ao receber a mulher como sua auxiliar, visto que nenhum outro ser vivente que existia lhe era semelhante. Essa tendência à comunhão entre os seres humanos remete-nos à Santíssima Trindade. “Deus quis para nós na terra, a comunhão vivida no céu, criou o homem por amor, o chamou para o amor, vocação fundamental e inata de todo ser humano. O homem foi criado à imagem e semelhança de Deus, que é Amor. Tendo-os Deus criado homem e mulher, seu amor mútuo se torna uma imagem do amor absoluto e indefectível de Deus pelo homem. Esse amor é bom, muito bom, aos olhos do Criador, que ‘é amor’ (1Jo 4,8.16). E esse amor abençoado por Deus é destinado a ser fecundo e a realizar-se na obra comum de preservação da criação: ‘Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a’ (Gn 1,28)” [3].

Nada se compara ao amor de Deus. Mesmo semelhantes a Ele, é impossível retribuir um amor tão grande, mas, através uns dos outros podemos aprender e aprimorar a nossa capacidade de amar e assim nos aproximaremos mais e mais Dele, pois amar é decisão e deve ser sempre fruto de nossa liberdade de filhos e filhas de Deus.

Continuaremos nas próximas semanas, fique com Deus!

 

 

[1] JOÃO PAULO II. AUDIÊNCIA GERAL, Quarta-feira, 14 de Novembro de 1979, Mediante a comunhão das pessoaso homem torna-se imagem de Deus. Disponível em: <http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/audiences/1979/documents/hf_jp-ii_aud_19791114_po.html>.

[2] Gn 2.

[3] Catecismo da Igreja Católica, n. 1604.