Inicial

CRISTO, O FOGO QUE QUEIMA E SALVA – Por Fabiana Theodoro.

Deixe um comentário

Olá, amigos!

Que bom estarmos juntos novamente, refletindo sobre o nosso Catecismo. Falaremos hoje sobre um grande motivo de divergência entre católicos e protestantes, o Purgatório.

Pela morte de Jesus, nós fomos todos salvos, porém, Jesus não contradiz o nosso livre arbítrio. Ainda podemos escolher se aceitamos ou não esta salvação.

Por mais que amemos a Deus e busquemos seguir os passos de Jesus, ainda há em nós a tendência para o pecado. Vivemos a vida inteira em conflito, entre o bem Ícone - Juízoe o mal, até chegar a hora do Juízo, onde seremos sentenciados de acordo com nossas ações. Alguns viveram inteiramente para Deus, até conseguimos pensar facilmente em algumas dessas pessoas, que foram diretamente para o Paraíso. Outros se voltaram contra o amor de Deus, preferiram fazer o mal no mundo e foram direto para o inferno. Mas, a maioria de nós vive entre o bem e o mal, quer ser fiel a Deus, mas se percebe pecador. É para esses, o fogo purificador, a nossa esperança diante da insignificância humana perante Deus.

O Papa Emérito, Bento XVI, recorda-nos que o Purgatório não é “um lugar” depois da morte, mas sim “o caminho em direção à plenitude através de uma purificação completa”. Não é um fogo exterior, mas interno. “É o fogo que purifica as almas no caminho da plena união com Deus” [1].

Santa Catarina de Gênova, na visão que teve sobre o Purgatório, assim como o Filho Pródigo que retorna à casa do Pai, após viver uma vida desregrada e o encontra de braços abertos, pôde sentir o amor do Pai e sua infinita misericórdia, ao mesmo tempo em que se confrontava com sua alma medíocre e pecadora. Ela não parte do além para contar os tormentos do purgatório e indicar depois o caminho da purificação ou a conversão, mas parte da sua “experiência interior caminhando rumo à eternidade” [2].

O fogo que simultaneamente queima e salva é o próprio Cristo, o Juiz e Salvador. Ante o seu olhar, toda falsidade é eliminada. É o encontro com Ele que, queimando-nos, nos transforma e liberta para nos tornar verdadeiramente nós mesmos. As coisas edificadas durante a vida podem então revelar-se palha seca, pura fanfarronice e desmoronar-se. Porém, na dor deste encontro, no qual o impuro e o nocivo em nós se tornam evidentes, está a salvação. O seu olhar, o toque do seu coração cura-nos através de uma transformação certamente dolorosa, como pelo fogo. “Contudo, é uma dor feliz, em que o poder santo do seu amor nos penetra como chama, consentindo-nos no final sermos totalmente nós mesmos e, por isso mesmo totalmente de Deus” [3].

Rezemos pelos mortos para que possam ser acolhidos pelo Senhor e recebidos no céu puros, como o Senhor é puro. Afinal, Ele não abrirá as portas de sua casa para alguém que esteja “coberto de lama”, há de se lavar primeiro. E que bom que mesmo em meio ao pecado, Ele ainda nos oferece a oportunidade de estar junto Dele.

Que a divina misericórdia de Deus nos envolva e sua graça nos leve à Salvação, Amém!

Boa semana a todos!

 

 

[1] Purgatório é um fogo interior, esclarece o Papa, disponível em: <http://noticias.terra.com.br/mundo/europa/purgatorio-e-um-fogo-interior-esclarece-o-papa,1c487227b94fa310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html>.

[2] idem.

[3] Papa Emérito BENTO XVI, Spe salvi, 47. Disponível em: <http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/encyclicals/documents/hf_ben-xvi_enc_20071130_spe-salvi_po.html>.

Anúncios

“QUEM NÃO ESTÁ PRONTO PARA BEM MORRER, CORRE GRANDE PERIGO DE MORRER MAL” (São João Bosco) – Por Luiz Guilherme Andrade Menossi.

Deixe um comentário

Olá, queridos amigos. Sejam novamente bem vindos ao CommunioSCJ.

Adentrando no último artigo do Símbolo dos Apóstolos é chegada a hora de meditarmos sobre a Vida Eterna. Essa é nossa , mas é também nossa Esperança. Esperança de que saindo dessa vida passageira, cheia de altos e baixos, possamos mergulhar na Vida em plenitude. Mas como alcançá-la? A resposta é óbvia, mas nem por isso fácil. Nas palavras de São Francisco: “é morrendo que se vive para a Vida Eterna”.

Na morte corporal há uma separação: corpo e alma tomam destinos diferentes. O corpo encontra seu fim, a corrupção. Já a alma, imortal, se encontra com o Justo Juiz. A esse encontro entre a alma e Deus, que acontece tão logo um homem morre, chamamos Juízo Particular. Conforme ensina a Igreja, é nesse momento que “cada homem recebe em sua alma imortal a retribuição eterna” [1]. É o que atesta São Paulo, quando diz que os homens morrem uma única vez e “depois vem o julgamento” (Hb 9,27). É o que atesta o próprio Jesus, quando diante da súplica do bom ladrão lhe responde “hoje estarás comigo no Paraíso” (Lc 23,43).

Céu, inferno ou purgatório são os caminhos que a alma de cada ser humano pode tomar depois desse julgamento. Melhor do que caminhos a tomar, na verdade, seria mais correto dizer que são os caminhos a continuar, pois o Juízo Particular é Ressurreição de Lázarosempre um reflexo da vida que se levou na terra. Deus respeita nossa liberdade! Se morremos caminhando para Deus, para Ele iremos. Se morremos fugindo de Deus, para longe dele iremos. E esse não é um mero detalhe. Mudar o caminho na última hora, com a morte batendo à porta, não é tarefa simples. O Catecismo sabiamente nos recorda que “a morte põe fim à vida do homem como tempo aberto ao acolhimento ou à recusa da graça divina manifestada em Cristo” [2].

Os materialistas podem fingir que a morte não virá ou que ela é algo natural, facilmente aceitável. Mas nós cristãos sabemos que ela virá, que é salário do pecado (cf. Rm 6,23) e que é o momento decisivo das nossas vidas. A maneira com a qual nos encontramos com Deus no Juízo define como passaremos a Eternidade. Por isso os Santos Padres ensinavam a pensar diariamente na morte: para nos prepararmos.

Viver como se a morte não fosse chegar é uma grande insensatez. Dizia São João Bosco aos jovens: “Embora seja incerto o lugar e a hora de sua morte, porém é muito certo que ela virá” [3]. Por isso o grande santo da juventude exortava os jovens a se prepararem para esse momento. Ensinava que a ideia de “deixar para se converter depois”, nada mais é do que artimanha do Diabo para perder as almas. Chamando seus filhos espirituais à realidade de que a morte pode vir a qualquer momento, escreveu:

“Diga-me, filho, se tivesse que morrer neste instante, que seria da sua alma? Ai de você, se não se mantém sempre preparado! Quem não está pronto para bem morrer, corre grande perigo de morrer mal” [4].

São sábias palavras que somos também convidados a meditar. Será que temos nos preparado adequadamente para esse momento decisivo? Será que temos caminhado em direção a Deus? São perguntas que só podem encontrar a reposta no profundo de nosso coração. Perguntas que dizem respeito ao nosso interior, que ultrapassam a exterioridade dos atos e chegam à interioridade das intenções. É para respondê-las que a Igreja nos ensina a fazermos diariamente um exame de consciência. Para reconhecermos como todos os dias com nossos “pensamentos e palavras, atos e omissões”, damos passos para longe do Senhor. E para que à luz dessa descoberta mudemos de vida!

Que a nossa morte seja uma importante baliza para nossa vida. Ouçamos mais um conselho do grande São João Bosco: “Teme grandemente pela sua alma e pense que do viver bem depende uma boa morte e uma eternidade de glória” [5].

Que pela intercessão da Santíssima Virgem o Senhor nos ajude a viver bem, caminhando em sua direção. Que Ele nos livre de uma morte repentina e nos dê a graça de nos prepararmos adequadamente para o nosso Juízo.

 

 

[1] CEC (Catecismo da Igreja Católica), n. 1022.

[2] CEC, n. 1021.

[3] São João Bosco, O Cristão Bem Formado. Campinas (SP): Ecclesiae, 2010, p. 47.

[4] Idem.

[5] Ibidem, p. 49.